Transtorno do Pânico e Agorafobia

 A abordagem cognitivo comportamental é a modalidade de escolha para o tratamento do transtorno do pânico.

O Transtorno do pânico é um medo aprendido de certas sensações corporais associadas com ataques de pânico, e agorafobia é uma resposta comportamental a antecipação de tais sensações para um ataque de pânico completamente caracterizado.

Os ataques de pânico são episódios isolados de intensa apreensão ou medo, acompanhados por sintomas somáticos e cognitivos.

O transtorno do pânico é caracterizado por ataques de pânico espontâneo, pode ocorrer isoladamente ou associado a agorafobia.

O pânico pode evoluir em estágios: ataques subclínicos, ataques de pânico completos, ansiedade antecipatória, esquiva fóbica de situações especificas e agorafobia.
Pode levar ao abuso de álcool ou drogas, depressão e restrições sociais e profissionais. A agorafobia pode ocorrer de forma isolada, embora os pacientes geralmente apresentem ataques de pânicos associados. A ansiedade antecipatória se caracteriza pelo temor de que irá ocorrer o pânico, juntamente com impotência e humilhação.

Indivíduos com transtorno de pânico frequentemente apresentam múltiplas queixas somáticas relacionadas a disfunções do sistema nervoso autônomo, sendo que o risco é mais elevado entre mulheres.

O tratamento do transtorno do pânico envolve abordagem psicofarmacológica e também psicoterapia, sendo a abordagem cognitivo-comportamental a modalidade de escolha para o tratamento dos transtornos de ansiedade, contando com protocolos de tratamento estruturados e comprovados cientificamente.